Finanças

A importância do planejamento financeiro no seu novo negócio.

André Bernardo
Escrito por André Bernardo em 27 de janeiro de 2018
A importância do planejamento financeiro no seu novo negócio.
ENTRE PARA A LISTA

Receba conteúdos que farão a diferença na sua carreira.

Quando temos uma nova ideia de negócios, a tendência é nos apaixonarmos instantaneamente por essa ideia. O empreendedor é um apaixonado inveterado e é isso que faz com que ele enfrente os desafios que muitas pessoas não estão dispostas a enfrentar.

Porém, dizem que o amor é cego, certo?

Já conversei com muitos empreendedores que relegam completamente o planejamento financeiro ao estarem correndo atrás da sua paixão.

Todos eles tem “boas” justificativas:

  • “Tá louco, tenho que passar mais tempo fazendo e menos planejando, senão a coisa não sai.”
  • “Minha Startup está desenvolvendo um novo mercado, é pura inovação, não dá para fazer projeção financeira de um negócio assim.”
  • “Bicho, eu sou muito ruim em matemática, vou deixar isso aí para quando eu tiver dinheiro para contratar um contador.”
  • “Se eu tiver um produto muito f#[email protected] é certo que vou vender, e vendendo é certo que vou ter lucro, não preciso perder tempos calculando.”

E por aí vai…

É natural que você domine o seu produto ou serviço, senão não estaria interessado em transformá-lo em um business, e é muito confortável focar no que nós dominamos.

Essa é a nossa zona de conforto.

Lá tem cobertor quentinho e Netflix em um dia frio.

Tem suco de limão gelado na beira da piscina em um dia quente.

É uma delícia ficar na zona de conforto.

Planejamento toma tempo, demanda energia e é um baita halterofilismo mental.

O lance é que fazendo planejamento a gente erra menos.

Não quer dizer que não vamos errar, mas que vamos simular uma série de situações “em laboratório” para depois testá-las na prática.

Funciona assim:

Imagine que nos dois casos o esforço de execução é o mesmo, porém, no primeiro investimos menos tempo planejando e muito tempo corrigindo erros.

Aumentando o esforço de planejamento a energia desprendida na correção de erros passa a ser muito menor.

Vale ressaltar que além de esforço, corrigir erros gera frustração, desperdício de dinheiro e até mesmo problemas para a imagem/reputação.

Agora eu vou te dar alguns bons motivos para sair da zona de conforto, estudar um pouco de matemática financeira básica e fazer um bom planejamento para o seu negócio:

  • Encontrar ou validar o preço certo do produto.
  • Validar se o mercado é realmente atraente ou não.
  • Identificar o esforço necessário em vendas para sair do vermelho, o tempo para recuperar os investimentos e traçar uma meta.

1- Planejamento financeiro para definir ou validar o preço

Acertar o preço do produto/serviço é muito importante para qualquer negócio.

O preço precisa cobrir seus custos fixos, variáveis, impostos e tem que sobrar “uma graninha”.

Ele também precisa estar aderente ao praticado no mercado e principalmente, adequado ao seu público alvo.

O preço passa uma imagem sobre o seu produto. É um elemento chave da sua marca (branding).

Não adianta dizer que basta calcular seus custos para chegar no preço final do produto. Vejo o pessoal que trabalha com alimentação seguir esta linha e particularmente não concordo.

Dizem: Encontre os custos individuais do seu produto final, multiplique por três e este é o seu preço final.

Perceba que este cálculo não leva em consideração nenhum outro fator além de custo. Não considera o valor agregado do produto, a forma de fazer marketing, a marca, a disponibilidade do produto no ponto de distribuição e até mesmo o público alvo.

Agora imagine alguém que está montando uma academia de Cross Fit. Como fazer este cálculo baseado no custo individual vezes três? Simplesmente não dá.

Então o caminho certo é fazer uma simulação mês a mês pelo período de um ano considerando:

  • Os custos totais do negócio, fixos (Aluguel, salário, luz, água, etc) e variáveis (ligados diretamente ao produto final como insumos, logística, comissões, etc.).
  • Os impostos de acordo com o seu tipo de negócio.
  • Uma previsão de receita (previsão de vendas multiplicado pelo preço do seu produto)
  • A previsão de resultado (Receita do mês menos impostos menos custos totais).

Com esta planilha em mão temos alguns insights.

Se com esta conta sobrou dinheiro no final do mês, vamos analisar para confirmar se a projeção de vendas está realista, se não faltou listar nenhum custo e se o preço proposto está condizente com o mercado.

Pode ser que se você está começando um negócio agora ainda não tenha a menor noção de qual seria uma previsão de vendas realista e com certeza isso pode afetar completamente seu planejamento te iludindo ou te desmotivando.

Fique tranquilo que em outro momento e utilizando outras ferramentas você irá validar estas premissas.

A partir daqui fazemos alguns ajustes para simular outros cenários.

“O que acontece se eu aumentar dez reais no preço do produto e mantiver o volume de vendas?”

“E se eu diminuir vinte reais o preço, porém vender o dobro?”

E isso vai te ajudar a tomar algumas decisões com relação ao seu posicionamento no mercado.

2- Validar se o mercado é realmente atraente

Pode ser que você perceba que aumentar o preço do produto a princípio é inviável, que para gerar um resultado positivo o volume de vendas terá que ser muito mais alto do que imaginava e que o público alvo para consumir este produto não é tão grande assim.

Ou seja, esta simulação pode te poupar tempo de começar trabalhar em uma ideia que não vai ter sustentação OU pode te fazer pensar:

  • “O que eu posso mudar para atingir um público maior?”
  • “O que eu posso agregar de valor ao meu produto para convencer as pessoas a pagar um valor maior ainda que o público seja pequeno?”

3- Identificar o esforço necessário em vendas para sair do vermelho, o tempo para recuperar os investimentos e traçar uma meta.

Considerando que você já chegou em um preço adequado e uma previsão de vendas realista, terá uma visão clara de quantos meses serão necessários de trabalho mantendo esta toada para:

  • Recuperar o dinheiro investido no início do negócio (o que chamamos de Payback, por exemplo: O payback do negócio será em 15 meses.)
  • Sair do vermelho (O que chamamos de break even ou ponto de equilíbrio. Exemplo: A partir do 5 mês passaremos a ter um fluxo de caixa positivo e isso significa que temos que ter economias para sustentar a operação até lá)

Quando eu disse ali em cima “mantendo a toada” quer dizer que teremos que cumprir com esta previsão de vendas para que este payback e break even se concretize.

Perceba que aqui você tem a sua meta de vendas.

Agora como um bom empreendedor que tem foco em resultados, é mobilizar os esforços necessários para atingir a meta todos os meses.

Espero que tenha ficado mais claro a importância de realizar o planejamento financeiro do seu negócio e que tenha percebido que isso não é rocket science “coisa de cientista”.

Não canso de repetir que um sonho sem planejamento é só um sonho e um planejamento sem ação é apenas um desejo.

Se quiser VIVER seu sonho, sonhe, planeje e execute! Só depende de você.

Grande abraço!

André Bernardo – Fast MBA

o que você achou deste conteúdo?

Deixe o seu comentário abaixo

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Quer ter melhores conhecimentos na sua jornada profissional?

Se inscreva agora mesmo na nossa lista!